Produção industrial se recupera e taxa de desemprego cai no Japão

Mas os analistas alertam que é cedo demais para haver otimismo

produção industrial recupera
A produção industrial do Japão se recuperou em abril, segundo dados divulgados nesta sexta-feira (31), mas as vendas no varejo cresceram em ritmo mais lento, sugerindo que tanto a demanda doméstica quanto a externa podem sofrer forte pressão quando a guerra comercial entre EUA e China se intensificar.

Os analistas alertam que é cedo demais para haver otimismo quanto à produção industrial do Japão, com as esperanças de uma resolução rápida para a disputa comercial entre as duas maiores economias do mundo.

Somando-se à incerteza sobre a política comercial, as ações das montadoras japonesas caíram nesta sexta-feira após o governo Trump dizer que imporá tarifas sobre todos os produtos provenientes do México até que a imigração ilegal seja interrompida.

Muitas montadoras japonesas produzem carros no México para exportação aos Estados Unidos.

Os economistas também dizem que o governo do Japão e o banco central podem ser forçados a oferecer algum tipo de estímulo se as perspectivas de crescimento se deteriorarem ainda mais.

“Os dados não refletem totalmente o impacto da última rodada de aumento de tarifas nos EUA (sobre produtos chineses). A produção do Japão deve se ajustar mais para baixo no futuro”, disse Hiroaki Muto, economista-chefe do Tokai Tokyo Research Center.

“Se o iene aumentar, o Banco do Japão pode fazer algo com orientação futura ou compra de ativos, mas o estímulo fiscal normal não funcionará.”

A produção industrial subiu 0,6% em abril em relação ao mês anterior, mais do que a mediana das estimativas para um aumento de 0,2% e seguindo um declínio de 0,6% em março.

A produção foi impulsionada por um aumento na demanda de carros, peças de aviões e máquinas usadas para fazer telas planas, mostraram os dados.

O aumento da produção industrial deveu-se em parte ao fato de as empresas japonesas anteciparem a produção antes do feriado de Golden Week, que durou 10 dias entre o final de abril e o início de maio, disseram economistas.

No entanto, em um sinal mais preocupante, os estoques de semicondutores e peças eletrônicas subiram no ritmo mais rápido em sete meses, sugerindo que a fraca demanda nesse setor também pesará sobre a produção no futuro.

Fabricantes entrevistados pelo Ministério da Economia, Comércio e Indústria esperam que a produção suba 5,6% em maio, mas caia 4,2% em junho, mostraram os dados.

A taxa de desemprego caiu para 2,4% em abril, ante 2,5% em março, e a relação entre empregos e candidatos ficou estável em 1,63.

Guerra Comercial
A tensão entre Washington e Pequim subiu acentuadamente no início do mês, depois que o governo do presidente dos EUA, Donald Trump, acusou a China de “ter renegado” suas promessas anteriores de fazer mudanças estruturais em suas práticas econômicas.

Mais tarde, Washington impôs tarifas adicionais de até 25% sobre 200 bilhões de dólares em produtos chineses, o que levou Pequim a retaliar.

Uma desaceleração na China prejudica o Japão porque muitos de seus fabricantes dependem da venda de maquinário pesado e peças eletrônicas para fábricas na segunda maior economia do mundo.

A economia do Japão no primeiro trimestre acelerou inesperadamente, mas a expansão surpresa foi causada principalmente por importações que caíram mais rápido do que as exportações, mostrando as demandas externa e interna fracas.

Dados separados mostraram que as vendas no varejo subiram 0,5% em abril em relação ao ano passado, menos que a mediana das estimativas para um aumento anual de 0,8%.

No entanto, houve uma desaceleração em relação ao aumento de 1,0% no mês anterior, uma vez que os consumidores reduziram os gastos com roupas e automóveis, sugerindo que as pessoas podem estar se tornando cautelosas antes do aumento do imposto sobre consumo de 8% para 10% em outubro.

“Não estamos vendo uma retomada nas compras de bens duráveis, o que sugere que os consumidores estão segurando os gastos”, disse Hiroshi Miyazaki, economista sênior da Mitsubishi UFJ Morgan Stanley Securities.

“O governo pode ter que estimular ainda mais após o aumento do imposto sobre vendas se a economia não melhorar”.

O índice de preços ao consumidor (IPC) de Tóquio, que inclui os derivados de petróleo, mas exclui os preços dos alimentos in natura, subiu 1,1% em maio ante o ano anterior, em comparação com um aumento de 1,3% em abril.

Uma desaceleração nas altas dos preços da eletricidade e do gás limitou os ganhos no índice, mostraram dados.
Fonte: Alternativa com Reuters

Anúncios

Sobre Emprego no Japão

Disponibilizamos vagas de emprego no Japão.
Esse post foi publicado em Japão e marcado , , , , , . Guardar link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s